Acreditamos no consumo
responsável de bebidas alcoólicas.

Este site destina-se a pessoas com idade legal para o consumo de bebidas alcoólicas.
Ao entrar no website Quinta dos Carvalhais, confirma ter idade legal para o consumo de bebidas alcoólicas, de acordo com a lei em vigor no país de acesso ao site.


Relatório de Vindima 2021

Dezembro 2021

Beatriz Cabral de Almeida, responsável pela enologia da Quinta dos Carvalhais, diz que “2021 foi um ano ‘clássico’ do Dão, desafiante e trabalhoso, que deu origem a vinhos delicados, frescos e elegantes”. A Quinta dos Carvalhais quase duplicou a produção própria relativamente ao reduzido 2020, e a região subiu c.35%.

“2021 foi um ano ‘clássico’ do Dão, desafiante e trabalhoso, que deu origem a vinhos delicados, frescos e elegantes.”

A Quinta dos Carvalhais junto a Mangualde está plantada com as castas brancas e tintas tradicionais da região, com destaque para Encruzado, Touriga Nacional e Alfrocheiro. A área total de vinha é de 50ha, tendo mais de metade sido replantada em 2020 (28ha), em substituição da área afetada pelos incêndios de 2017. Para a equipa de viticultura, liderada por João Vasconcellos Porto, “o ano foi fantástico para a vinha nova”. Beatriz concorda dizendo que “está em grande crescimento e muito bonita”, e sonha já com uvas a partir de 2022-23. Por agora, conta somente com a vinha mais velha.

O ciclo vitícola decorreu “normal e sem grande pressão de doenças”, embora afetado por temperaturas baixas e chuva em momentos cruciais, como a floração e o vingamento. Apesar de alguma heterogeneidade resultante, o potencial produtivo foi muito equilibrado e superior a 2020. Os trabalhos decorreram no tempo certo e a videiras estavam saudáveis, apesar de algum atraso devido ao julho mais fresco que o normal, com poucos dias acima de 30ºC. A chuva que caiu em 11 de agosto foi benéfica, refrescando e hidratando a vinha, toda ela sem rega e cuidada em modo de Produção Integrada. O Dão é uma região moderada, com verões de dias quentes e noites frescas, ideais para amadurecer as uvas e preservar a sua acidez. No equinócio, a mudança de tempo é habitual e um risco ao qual a região está habituada.

“O ano prometia ser uma loucura, mas depois veio a chuva”, lembra Beatriz. E complicou a fase final do ciclo. A vindima foi faseada, ao ritmo das uvas.

Entre 1-3 setembro foram colhidas Tourigas Nacional para rosé e as parcelas mais avançadas de Gouveio. Na semana seguinte foi colhida a Jaen, e a partir do dia 13 avançou “em força”, até 7 de outubro. A vindima foi “trabalhosa e desgastante”, admite a enóloga. Obrigou a cuidado ainda mais apurado, a atenção redobrada na vinha e a muito trabalho de pormenor e seleção na adega (da mesa de escolha a todos os detalhes de fermentações e estágios). A alternância entre dias de bom tempo e de chuva gerou um misto de emoções, ora confiante ora apreensiva. O resultado final deixa Beatriz contente. “Temos bons vinhos” e mais produção. Os brancos e rosés foram vindimados mais cedo, sob tempo seco, e estão muito suaves e aromáticos. Os brancos de Encruzado são elegantes, com estrutura, frescos e delicados.

Quanto a tintos, os de Alfrocheiro são bem característicos, “com notas arbustivas, de bosque, alcachofras e cogumelos frescos”, e os de Touriga Nacional mostram também muita elegância, “com cores mais suaves e notas de fruta silvestre, resina e pinhal”.
Beatriz está orgulhosa pelo trabalho realizado em mais um ano complicado para a região. Realça o carácter “delicado e suave, com estrutura, frescura e elegância” dos vinhos, e revela que tem muito boas expectativas para os primeiros lançamentos, já na próxima primavera.

tree